UC Lagoa do Peri

Unidade de Conservação MONA da LAGOA DO PERI

Editado em 17 de junho de 2024

Unidade de Conservação (UC) Monumento Natural Municipal da LAGOA DO PERI

DATA DE CRIAÇÃO: 03/12/1981
ECOSSISTEMA: Floresta Ombrófila Densa e Restinga
ÁREA: 4.274,43 hectares / Perímetro: 74.043 m · 2 glebas
CATEGORIA DE MANEJO: Monumento Natural
LOCALIZAÇÃO: Distrito do Pântano do Sul e Distrito do Ribeirão da Ilha
CONTATO: +55 48 3237-5660 · fdepuc.floram@gmail.com
ACESSO: Sede aberta todos os dias, das 7h às 19h.
ATRATIVOS: Lagoa, Praia da Armação, Mirante do Morro das Pedras. Serviços de alimentação, esporte e lazer na Sede.
SEDE: Rodovia Francisco Thomaz dos Santos, 3150 - Armação do Pântano do Sul · Florianópolis/SC, 88066-260. 

image.png

Objetivos da UC - Art. 4º da Lei 10.530/2019

I. Proteger o manancial hídrico da Bacia da Lagoa do Peri, de forma sustentável, visando o abastecimento público; 
II. Promover a proteção e recuperação dos recursos hídricos; 
III. Preservar o patrimônio natural representado pela fauna, flora e paisagem; 
IV. Promover a manutenção da diversidade biológica e dos recursos genéticos; 
V. Promover a preservação e a restauração de ecossistemas; VI. Preservar o patrimônio cultural tradicional; 
VII. Promover e valorizar a paisagem cultural; 
VIII. Estimular o uso e cultivo sustentável de espécies ornamentais e medicinais nativas; 
IX. Promover a utilização dos princípios e práticas de conservação da natureza no processo de desenvolvimento sociocultural e econômico; 
X. Preservar o patrimônio histórico e arqueológico; 
XI. Contribuir para a conservação da geodiversidade; 
XII. Apoiar e incentivar atividades de pesquisa científica;
XIII. Valorizar econômica e socialmente a diversidade biológica; 
XIV. Proporcionar espaços e condições adequados ao desenvolvimento de atividades em contato com a natureza; 
XV. Promover a atuação de entidades e população local como agentes de conservação do patrimônio natural. 

Histórico: “a mais importante e mais polêmica.” 

O interesse em preservar a região vem desde 1952, quando foi decretada como “remanescentes de floresta nativa” toda a vegetação existente desde as margens da Lagoa do Peri até a extremidade sul da Ilha de Santa Catarina. A mais antiga e mais polêmica UC Municipal, teve sua proteção iniciada em 1976, quando a área da bacia hidrográfica da Lagoa do Peri foi tombada como Patrimônio Natural e seus limites foram aproveitados na criação do Parque Municipal da Lagoa do Peri, em 1981. Seu zoneamento e critérios de uso foram definidos no ano seguinte, no entanto, com o advento do SNUC em 2000, a categoria Parque se mostrou incompatível com a realidade fundiária e de uso das comunidades tradicionais da Unidade de Conservação.

Em 2007, foi criado o Conselho Gestor, mas somente em 2016/17, com a retomada do mesmo, foi encaminhada a proposta de recategorização para Monumento Natural (PL 17.493/18), propondo a permanência da população tradicional e regrando seus usos do território; ampliando os limites em função das Áreas de Preservação Permanente do entorno; mantendo a Proteção Integral na salvaguarda da bacia hidrográfica da Lagoa do Peri, – balneário e, ao mesmo tempo, manancial de abastecimento de cerca de 200 mil unidades consumidoras – e do melhor remanescente de floresta primária da Ilha. 

Aprovada a Lei 10.530/19, a área do MONA Lagoa do Peri passou de 1.992 para 4.274 hectares. Com a elaboração do Plano de Manejo caberá ao conselho e à gestão buscar a implementação de programas e ações envolvendo regramento de usos; avanços na fiscalização; projetos de Turismo de Base Comunitária; valorização da cultura tradicional e economia local, com destaque para os engenhos, alambiques e demais iniciativas da comunidade do Sertão do Ribeirão.
 

Cartilhas

Gestão do Programa

Fundação Municipal do Meio Ambiente FLORAM

Temas